quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Imagens flagram fuga de ladrões com reféns no capô de carro em MT

Oito assaltantes fizeram reféns e roubaram duas agências em Comodoro. Quadrilha fugiu com reféns, queimou caminhonete e segue foragida.

Novas imagens feitas por moradores de Comodoro, a 677 quilômetros de Cuiabá, dão a dimensão do pânico causado à cidade durante o assalto a duas agências bancárias nesta terça-feira (30). Clientes e funcionários foram transformados em barreira de proteção para os criminosos. Contra a vontade, eles eram os ‘olheiros’ da quadrilha. Na fuga, dois reféns foram obrigados a serem transportados no capô das caminhonetes usadas pelo grupo.

O mecânico Carlos Alberto Souza disse que a função dos reféns era impedir o avanço de qualquer pessoa no local. “Eles falavam pra gente avisar quem estivesse vindo em direção ao banco para voltar”, afirmou. Bastava alguém em alguma esquina se movimentar para ver o que estava acontecendo no banco para os reféns entrarem em desespero com a incidência dos disparos.

Na barreira humana também estavam um mecânico e mais uma mulher. Tiros de fuzil eram disparados bem próximos da cabeça dele. “Ela (mulher) era o escudo do homem. O homem arrumou a luneta da arma na cabeça dela para atirar”, informou o engenheiro eletricista Alexandre Jesus Souza.

Trinta minutos depois, quatro assaltantes que roubavam outra agência bancária chegaram com mais reféns. A maioria era de homens, clientes do banco, que foram obrigados a ficar sem camisa. Eles desceram da caminhonete sob as ordens dos bandidos. “Nós estávamos em umas 30 pessoas. Eles atiravam muito. O revólver deles ficava próximo da nossa cabeça. Esse foi o pior momento”, ressaltou Souza.

Os bandidos obrigaram os funcionários do banco a levarem os malotes para dentro da caminhonete. E depois determinaram que todos subissem na carroceria do veículo. Faltou espaço para tanta gente. Eles fugiram com os reféns e só os libertaram na saída da cidade.

O consultório de um dentista fica em frente a uma das agências atacadas pela quadrilha. Ele foi obrigado a interromper o atendimento porque três disparos foram feitos em direção ao consultório. “Eu pedi para a paciente sair da cadeira e deitar no chão porque os projéteis estavam vindo de todo lado, de toda a direção. Eles estavam com alto poder de fogo”, afirmou o dentista.

O assalto

Segundo informações da polícia e dos moradores, pelo menos oito assaltantes participaram da ação criminosa. Eles se dividiram para assaltar as duas agências. Um grupo foi até uma agência, rendeu funcionários e clientes, enquanto outros ladrões foram até o outro banco localizado a cerca de 200 metros de distância.

Durante a ação, pessoas foram feitas reféns e usadas como 'escudo humano' em frente aos locais para dar proteção à quadrilha. Eles fugiram em outros dois veículos e ainda ninguém foi preso pela polícia.

Senadora no tiroteio Em quatro anos, esta é a segunda vez que a cidade é alvo dos bandidos do Novo Cangaço. Em 2008, a então senadora Serys Slhessarenko, que participava de uma campanha eleitoral na cidade, ficou no meio do tiroteio entre os criminosos e a polícia durante o assalto à agência bancária. Ela não se feriu e os criminosos conseguiram levar dinheiro da agência.

Fonte: G1 MT

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário